segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Carta Denúncia contra o Ministério da Educação e o Grupo GalileoEducacional - 30 de Dezembro

No final de 2011 o Grupo Galileo Educacional (GALILEO ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS EDUCACIONAIS S/A - CNPJ: 12.045.897/0001-59) assumiu a mantença do Centro Universitário da Cidade (Univercidade) com o projeto de transformar a Instituição em uma das maiores e melhores do país. Segundo palavras do Sr. Marcio André Mendes Costa, na época acionista majoritário do Grupo Galileo, o objetivo era:
“... construir um grupo de universidades de alto padrão no Rio de Janeiro, capaz de atrair não só alunos do Estado, mas do país e até da América Latina...”.
A partir da entrada do Grupo Galileo, começa uma sequência de irregularidades e desumanidades contra os professores, alunos e funcionários. Os pagamentos não eram feitos nas datas informadas pela mantenedora e em dezembro de 2011 professores e funcionários estavam ainda sem receber o salário de novembro e 13º. Ainda em dezembro de 2011 professores foram demitidos através de telegramas e o Campus Bonsucesso foi fechado, sem nenhum comunicado prévio, fazendo com que os alunos fossem literalmente jogados para o Campus Gonçalves Dias (Centro do Rio de Janeiro). Lembramos aqui a distância entre os dois pontos – Bonsucesso e Centro -  fazendo com que muitos alunos fossem prejudicados.
Iniciando o ano letivo de 2012, os docentes organizaram uma paralisação de suas atividades e no dia 14 de março foi deflagrada a primeira greve da história da Instituição, fazendo com que o período fosse marcado por diversas manifestações na sede do Grupo Galileo, na Rua Sete de Setembro, 66, Centro – RJ.
Os boletos continuavam sendo pagos, mesmo sem aulas há mais de um mês, porém ainda assim professores e funcionários não recebiam. A limpeza, segurança e manutenção das unidades eram precárias ou não existiam. Alunos cadeirantes eram colocados em situações vexatórias aos serem carregados no colo pelos seus colegas até as salas de aula.
Depois de diversas manifestações no dia 02 de maio de 2012, na Sede do Grupo Galileo, em protesto às irregularidades da mantenedora, o Movimento Estudantil da UniverCidade decidiu ocupar a entrada do prédio. Depois de diversas tentativas de conversa, somente às 23h a Reitoria, representada pelo senhor Wanderley Cantieri, decidiu atender os apelos dos ocupantes e às 02h30minh a reunião terminou com diversas promessas.
Durante a greve o então reitor, Márcio André, viajava por Paris, parecendo pouco interessado na grave situação em que se encontrava a UniverCidade. Nenhuma das promessas feitas por Wanderley Cantieri, na reunião com os estudantes dia 02 de maio foram cumpridas. Então no dia 17 de maio o corpo discente organizou uma nova manifestação na Sede, como mais uma tentativa de reverter à situação. Durante o ato, os estudantes solicitaram uma reunião com o novo reitor, senhor Fernando Braga. Com a recusa em nos atender, foi realizada no local uma Assembleia, que teve por resultado um acampamento em frente o prédio Sede até que uma solução fosse dada. Sabíamos da radicalidade da nossa decisão, porém estávamos lutando pelo nosso futuro, por respeito e por uma educação de qualidade.
Foram 05 dias de acampamento, (17, 18, 21, 22 e 23), na luta pelo retorno às aulas. Até que no último dia de acampamento, 23 de maio, os professores votaram pelo fim da greve mesmo tendo recebido apenas uma parte do salário de abril e o salário de março. Depois de 40 dias de greve e com o retorno às aulas, no dia 02 de junho, durante uma Assembleia Geral Estudantil, foi formado o Diretório Central dos Estudantes com o objetivo de lutar e defender os interesses de todo o corpo discente. Aqui lembramos que o Movimento Estudantil sempre foi proibido na UniverCidade, pois para a Instituição os alunos não deveriam ter voz ou qualquer outro tipo de representação. Pela primeira vez então os estudantes conquistam seu espaço de direito dentro da Instituição.
No dia 26 de junho de 2012, na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ), foi instaurada a Comissão Parlamentar de Inquéritos (CPI) com o objetivo de apurar as irregularidades cometidas principalmente nas Instituições de Ensino mantidas pelo Grupo Galileo Educacional.  Estivemos presentes em todas as audiências convocadas, ao contrário do ex-presidente do Grupo Galileo, Márcio André. O mesmo foi convocado diversas vezes a depor e não compareceu, sendo considerado foragido.
Como reflexo da má situação da UniverCidade, os salários de professores e funcionários continuavam atrasados. No dia 29 de outubro de 2012 os docentes paralisaram as atividades por 1 dia em protesto. No dia seguinte, 30 de outubro, o Campus Metrô Carioca foi fechado devido à ordem de despejo, ocasionada pelos atrasos no pagamento dos aluguéis ao Metrô Rio. Alunos, professores e funcionários foram pegos de surpresa no meio do expediente. Todos foram retirados da unidade durante aulas e aplicações de provas. Os alunos foram “realocados”  nos Campi Gonçalves Dias e Candelária (Campus da Universidade Gama Filho que até então estava em funcionamento). Esta situação vergonhosa perdura até hoje, e os alunos dos cursos de Tecnologia não possuem material e infraestrutura adequados para estudo.
Depois de diversas mudanças na sua presidência, a Galileo modificou mais uma vez seu comando. O Grupo passou a ter o Reverendo Doutor Adenor Gonçalves como acionista majoritário: pastor da Igreja Batista, empresário nas áreas de comunicação, petróleo, construção civil, agronegócios e também no ramo hospitalar. Com isso, a mantenedora passou a ter um novo presidente: Alex Kleymann Bezerra Porto de Farias, advogado e dono da Porto Farias & Advogados Associados.
Chegávamos ao final do período e os salários permaneciam em atraso. As notas das provas (A2) não foram lançadas pelos docentes em forma de protesto. Diante da crise, iniciamos 2013 com novas demissões, atrasos salariais e novo aumento de mensalidades. A comunidade acadêmica não se calou, e mais uma vez fomos às ruas. O ano de 2013 foi “inaugurado” com diversas manifestações, incluindo desta vez uma grande passeata iniciada na ALERJ até a Sede do Grupo Galileo.
No mesmo período, os Campi Praça XI, Freguesia, Méier e Campo Grande foram fechados de uma hora para outra e sem nenhum comunicado prévio. O Campus Praça XI pertencia ao Metrô Rio, assim como o Campus Freguesia que pertencia ao Shopping Quality. Alunos foram prejudicados com os gastos de passagens e o tempo que levam até os Campi onde foram realocados. Em seguida os cursos de Biologia Ambiental e Enfermagem foram fechados e transferidos para Universidade Gama Filho, mais uma vez de forma arbitrária e sem comunicado prévio, como é de praxe nas decisões do Grupo.
No dia 26 de fevereiro o então presidente, Alex Porto compareceu  à  CPI, onde assumiu que a UniverCidade e a Gama Filho possuem uma dívida de R$ 900 milhões.
 A partir desse dia comprovou-se então a incompetência administrativa do Grupo Galileo, além da clara falta de interesse em investir na educação superior privada.
No dia 01 de março de 2013 o presidente do Grupo enviou um e-mail aos docentes, pelo pedindo desculpas pelos atrasos salariais e culpando o Movimento Estudantil pela dificuldade em conseguir captar recursos. Logo em seguida, 07 de março, foi deflagrada uma nova greve. A partir desse momento os estudantes se uniram em uma só voz, pela saída do Grupo Galileo e a intervenção do Ministério da Educação na instituição, com a cassação da homologação do Grupo Galileo. Iniciou-se também uma Greve Estudantil, pelo congelamento do calendário acadêmico e pelo pronunciamento do Ministério da Educação.
Desde que o Grupo Galileo Educacional assumiu a mantença da UniverCidade toda comunidade acadêmica vem se mostrando indignada, descontente e frustrada  com a situação em que nos encontramos. Os alunos pagam as mensalidades com o objetivo de investirem em seus futuros e para onde está indo o dinheiro das mensalidades eu quais foram os investimentos feitos até agora? É inadmissível aonde chegamos, pois as unidades não possuem o básico como papel higiênico nos banheiros, alguns não possuem agua, as salas de aula em péssimo estado, assim como os bebedouros, dentre outros problemas como falta de material de apoio docente: papeis para impressão, tinta, giz, entre outros materiais.
Atualmente o Centro Universitário da Cidade- UniverCidade vive o seu pior momento correndo o risco de ser descredenciada pelo Ministério da Educação, fazendo com que milhares de estudantes sejam prejudicados, apesar de já estarem com seus currículos manchados pela má administração da mantenedora, pelo descaso e omissão do Grupo pelo ensino de qualidade e pela valorização dos profissionais de educação que vem se esforçando a cada ano para mater o padrão de ensino que antes a era de alta qualidade.
A UniverCidade chegou a ter 25 mil estudantes por semestre em 2000 e durante o período de 2000 a 2010, 22 semestre, a Instituição chegou a ter  550.000 mil alunos. Porém, esse número veio caindo de forma assustadora: em 2011 eram 16.643, em 11 unidades; atualmente, com 2 unidades, a Instituição possuí em torno de 4000 estudantes. O Grupo Galileo conseguiu piorar a má administração que já ocorria na antiga gestão da Instituição. E assim chegamos a mais uma greve em setembro de 2013.
 Por mais incrível que possa parecer à situação de setembro até dezembro só piorou e corremos o risco de um descredenciamento no dia 13 de janeiro de 2014. As unidades estão abandonadas, pois não existem funcionários do administrativo ou da limpeza, segurança, secretaria fechada e até mesmo os professores abandonaram a Instituição. Vivemos sem saber como será o nosso futuro.
Fazemos aqui uma denúncia pela omissão e pelo descaso do Ministério da Educação que autorizou a mantença para que o Grupo Galileo obtivesse as duas Instituições, UniverCidade e Gama Filho, mas agora parece querer se eximir de qualquer responsabilidade ao decretar o descredenciamento e assim colocando um fim no sonho de milhares de estudantes que batalharam para conseguirem chegar a Graduação, prejudicando milhares de profissionais do administrativo e da limpeza que ficarão sem o sustento de suas famílias, descartando docentes excelentes que lutaram e dedicaram-se durante anos por uma Instituição que só fez desrespeitar a quem mais deveria honrar. 
A pergunta que fica por TODOS é: ONDE ESTÁ O MEC?
Sabemos que o descredenciamento não é a saída, sabemos que existe a possibilidade de uma INTERVENÇÃO e é o que queremos.
Na sexta-feira (13 de dezembro), o Ministério da Educação (MEC) publicou uma portaria no Diário Oficial aplicado penalidades à UniverCidade e Gama Filho. Segue o link com a publicação da portaria:
Ambas as IES tiveram suas autonomias suspensas, bem como o ingresso de novos alunos, por vestibular ou transferência, nos cursos de graduação e de pós-graduação; de sobrestamento dos processos regulatórios das instituições e de suspensão de novos contratos do Fies e Prouni, bem como restrição à participação no Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec).
O motivo para essas penalidades se deve ao fato da mantenedora, Galileo Educacional, ter descumprido com os termos de saneamento de deficiências (TSDs) firmados com o Ministério da Educação. A Galileo, desde a data da publicação da portaria, tem o prazo de 15 dias para apresentar a defesa de 30 dias para recorrer das medidas cautelares impostas para ambas as IES.
Fazemos aqui uma ressalva: Desde a chegada do Grupo Galileo, o SINPRO-RJ já enviou inúmeros pareceres ao MEC denunciando a mantença das duas Instituições. 
Uma Audiência com o Ministro da Educação, Aloízio Mercadante, foi realizada o mesmo disse que não abriria precedentes para uma intervenção. Tal afirmação causou espanto na comunidade acadêmica e reforçou o pensamento de que o Ministério da Educação não quer se responsabilizar pelo ensino superior privado que vem sendo tratado como mercadoria e atraindo Grupos "Educacionais" que apenas visam o lucro financeiro.
Apesar de intensa, sabemos que cabe a nós estudantes, professores e funcionários, de duas grandes Instituições de Ensino, lutar pelo nosso futuro, lutar para que a sociedade nos veja, lutar para que imprensa nos ajude a divulgar a nossa situação. Não que essa seja uma "situação" da UniverCidade e da Gama Filho, mas quando falamos "nossa" nos dirigimos a todos os estudantes das Universidades Privadas que estão abandonados pelo Mistério da Educação.
A decadência da UniverCidade chegou no limite e a vida dos estudantes dentro das Unidades é colocada em risco.
A unidade Madureira, localizada entre os morros da Serrinha e do Cajueiro e que vivem em constantes tiroteios além de serem comandadas por facções criminosas rivais, atualmente só tem 1 funcionário e no entorno acontecem diversos assaltos a casas, aos comércios, pedestres, roubos de carros etc. No entanto, isso não é o pior. Pois, segundo relatos de alunos do turno da noite, a unidade estaria servindo de abrigo para viciados e qualquer pessoa pode entrar e sair do campus que está com 2 prédios desativados e sem luz. Diante do atual cenário, alguns estudantes deixaram de ir a unidade com medo, professores desistiram de dar aula para não colocar as suas vidas e a vida dos alunos em risco.
Na unidade Ipanema, localizada na zona sul do RJ, a situação é a mesma e o campus estaria servindo de abrigo para os viciados em crack.
 Mais uma vez questionamos a mantença autorizada pelo Ministério da Educação que não cumpre com a sua obrigação de fiscalizar e penalizar Grupos como a Galileo Educacional que desde a sua chegada só piora a situação das Instituições.
Sempre nos disseram que o “amanhã nunca morre”. Mas, com esse grupo que está administrando a nossa UniverCidade, o impossível pode se tornar possível. Este DCE-UC, já que não existia nenhum antes de nós, foi construído com muito sacrifício durante a evolução da crise e dos atrasos de pagamento no início de 2012. Fizemos protestos, dormimos na rua, fizemos o que foi possível para que conseguíssemos ser ouvidos. Pior do que isso é saber que a situação que vivemos hoje com greves constantes, professores sem salário, elevadores quebrados, banheiros sujos, entre tantas coisas, não seja grave.
O Ministério da Educação (MEC) pouco faz para intervir ou tentar contornar a situação. Diz que não pode. Mas, não é isso o que vemos na prática. Em setembro agora, descredenciou a Faculdade Alvorada, no Distrito Federal. Os alunos entraram na Justiça para tentar recuperar os documentos e assim uma transferência, mesmo tendo vários deles participado da Transferência Assistida proposta pelo Órgão. No último dia 13/11, proibiu o ingresso de novos discentes em seis IES do Grupo Uniesp, em São Paulo. Em agosto deste ano, a UniverCidade estava suspensa de realizar novos vestibulares. Dois meses depois, a medida tinha sido anulada. Foi mais uma espécie de “cala-boca” para que parássemos de reclamar.
Nossas idas a Brasília, muitas delas custeadas do nosso bolso, reforçam o que acabamos de afirmar. Depois de várias reuniões, já perdemos as contas, o Grupo Galileo assina um termo de compromisso e mesmo assim o desrespeita. Em fevereiro de 2012, a mantenedora já tinha descumprido um acordo feito no Ministério Público do Trabalho.
Até hoje nunca vimos o tal acionista majoritário Adenor Gonçalves dos Santos. Seu nome é uma lenda. Às vezes nos perguntamos se ele realmente existe, porque nunca teve a humildade de se sentar conosco para dialogar, encarar o problema de frente e nos dar garantias reais de que está disposto a recuperar a Instituição.
Há quase dois anos que vivemos nessa luta. Unidades serem fechadas, demissões e mais demissões, aumentos abusivos de mensalidades, promessas de pagamentos que não são cumpridas, falta de segurança, equipamentos e salas em mau estado de conservação, cursos serem transferidos para a Universidade Gama Filho, troca de acionistas, imóvel sendo penhorado.
Atitudes repulsivas como essas, tanto do Ministério da Educação quanto do Grupo Galileo, só demostram que a mantenedora não possui interesse na qualidade do ensino, na valorização dos profissionais da educação, demonstra a sua falta de capacidade de gerir as IES e o seu interesse apenas financeiro. Com isso, o Grupo Galileo vem causando danos irreparáveis aos docentes, funcionários e a milhares de estudantes.
O Diretório Central dos Estudantes, representando os discentes, não se calará diante de qualquer outra atrocidade cometida pelo Grupo Galileo. A nossa luta é também para que haja um respeito, que os profissionais de educação sejam valorizados e para que os estudantes tenham um ensino de qualidade. 
O Grupo Galileo vem contribuindo de forma cruel e desumana para o fim de duas grandes IES e o DCE cobra das autoridades uma resposta, uma solução para que a comunidade acadêmica seja tratada com dignidade. 
Deixamos aqui registrado o nosso grito de socorro representado por cada estudante, cada professor e cada funcionário.
Abaixo seguem algumas fotos dos fatos supracitados.







    

    

    

    

    

   

    

    

    



    

    

   

    

    

    

    

    


Email do DCE: dceuc2012@gmail.com

"Saudações a quem tem coragem"

domingo, 15 de dezembro de 2013

S.O.S UniverCidade - 15 de Dezembro

Na sexta-feira (13), o Ministério da Educação (MEC) publicou uma portaria no Diário Oficial aplicado penalidades à UniverCidade e Gama Filho.

Ambas as IES tiveram suas autonomias suspensas, bem como o ingresso de novos alunos, por vestibular ou transferência, nos cursos de graduação e de pós-graduação; de sobrestamento dos processos regulatórios das instituições e de suspensão de novos contratos do Fies e Prouni, bem como restrição à participação no Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec).

O motivo para essas penalidades se deve ao fato da mantenedora, Galileo Educacional, ter descumprido com os termos de saneamento de deficiências (TSDs) firmados com o Ministério da Educação.

A Galileo têm o prazo de 15 dias para apresentar a defesa de 30 dias para recorrer das medidas cautelares impostas para ambas as IES.

Segue o link com a publicação da portaria:
http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=19334%3Aministerio-determina-aplicacao-de-penalidades-a-universidades-&catid=212&Itemid=86

Começo do Fim

Pela segunda vez nesse ano que a UniverCidade é penalizada pelo MEC, mas dessa vez, essa punição pode levar, de fato, ao descredenciamento da IES.

A situação está muito mais complicada do que antes. Unidades abandonadas e fechadas, cursos com avaliações pífias, professores e funcionários sem receber seus salários, mais uma vez, bibliotecas fechadas, computadores retirados devido a falta de pagamento dos alugueis.

Mesmo com todos esses agravantes, o comportamento da Comunidade Acadêmica continua o mesmo: INERTE!

Dessa vez, chegamos num momento de decisão. Agora só depende de nós que ela seja contra ou a nosso favor. Mais uma vez afirmamos que a nossa voz não terá muito alcance se a maioria não participar e essa é a hora.

Temos apenas 15 DIAS para brigar pelo nosso futuro e pelo nosso diploma. Temos 15 dias para fazermos valer os anos de faculdade que pagamos, a bolsa que batalhamos para conseguir. Temos 15 dias para irmos às ruas e nos unirmos de verdade. Não uma união de Facebook e sim sermos solidários uns com os outros, independente de nos conhecermos ou não. Temos 15 dias para que a Comunidade Acadêmica seja uma só voz!

Na próxima quarta-feira (18) ás 14h na ALERJ, haverá uma audiência pública, onde o Presidente da Galileo, Alex Porto, foi convocado. O tema será:

"Os prejuízos causados aos professores, alunos e funcionários das Universidades Gama Filho e UniverCidade em decorrência das irregularidades cometidas pelo Grupo Galileo Educacional"


A presença de toda a Comunidade Acadêmica é extremamente importante!

VAMOS À LUTA!

#FORAGALILEO




Email do DCE: dceuc2012@gmail.com

"Saudações a quem tem coragem"

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Comunicado á Comunidade Acadêmica - 04 de Dezembro

À 
Comunidade Acadêmica

Prezados alunos e professores,

É com tristeza, que novamente nos manifestamos a vocês. Talvez este seja um dos últimos comunicados que o façamos. Pois, a cada dia que passa temos mais incertezas do que certezas. A cada dia nos surpreendemos com uma notícia pior do que a outra. Agora com a de que um oficial de Justiça teria levado computadores da unidade Ipanema. Pouco sabemos sobre isso, aliás nem foi divulgado. Não sabemos para o pagamento de quê os mesmos foram tirados. E pelo que soubemos, isso poderá se repetir nas demais unidades. Os PC's são fundamentais, principalmente para nós alunos que chegamos do trabalho e vamos preparar um trabalho que algum professor nos pede, ou no caso daqueles que não dispõem de um em casa.

Sempre nos disseram que o “amanhã nunca morre”. Mas, com esse grupo que está administrando a nossa UniverCidade, o impossível pode se tornar possível. Se num futuro breve a Instituição fechar as portas, é bom que saibam que ela não será a única culpada. Todos, docentes e discentes, terão suas parcelas de culpa para que isso acontecesse. Os primeiros, por ficarem mais em cima do muro, criando falsas expectativas em vez de tomarem um posicionamento mais firme e encarar que o caminho cada vez mais é um abismo. Sabemos muito mais do que acontece acompanhando o blog dos professores da Gama do que pelo dos da UniverCidade. Os segundos,  por não se fazerem mais presentes, especialmente durante as manifestações que organizamos. A desculpa mais comum é de que não podiam ir, por causa de problemas pessoais. Mas, a sua faculdade também é um problema pessoal! Não é problema de trabalho, amoroso, de nenhum outro tipo. Às vezes, não fazer nada é pior do que tentar fazer algo, mesmo que errado. Se amanhã a UniverCidade acabar, queremos que saibam que o DCE-UC estará de consciência tranquila. Porque temos a convicção de que tentamos, demos tudo, nosso suor, nosso sangue e nossa alma numa luta que acreditávamos ser possível, se todos estivessem do mesmo lado, jogando no mesmo, e não fossem tão indiferentes ante os próprios problemas.

Este DCE-UC, já que não existia nenhum antes de nós, foi construído com muito sacrifício durante a evolução da crise e dos atrasos de pagamento no início de 2012. Fizemos protestos, dormimos na rua, fizemos o que foi possível para que conseguíssemos ser ouvidos. Mas, quando a maioria não participa, nossas vozes não têm muito alcance. Pior do que isso é que aparenta que a situação que vivemos hoje com greves constantes, professores sem salário, elevadores quebrados, banheiros sujos, entre tantas coisas, não seja grave.

Estivemos hoje em Madureira. A situação é caótica. Árvore caída no meio do pátio, secretaria fechada, pouquíssimos professores e alunos, falta d'água e de luz, banheiro cheio de baratas. Aliás, não é só o banheiro. A unidade toda está entregue às baratas.

O Ministério da Educação (MEC) pouco faz para intervir ou tentar contornar a situação. Diz que não pode. Mas, não é isso o que vemos na prática. Em setembro agora, descredenciou a Faculdade Alvorada, no Distrito Federal. Os alunos entraram na Justiça para tentar recuperar os documentos e assim uma transferência, mesmo tendo vários deles participado da Transferência Assistida proposta pelo Órgão. No último dia 13/11, proibiu o ingresso de novos discentes em seis IES do Grupo Uniesp, em São Paulo. Em agosto deste ano, a UniverCidade estava suspensa de realizar novos vestibulares. Dois meses depois, a medida tinha sido anulada. Foi mais uma espécie de “cala-boca” para que parássemos de encher o saco.

Nossas idas a Brasília, muitas delas custeadas do nosso bolso, reforçam o que acabamos de afirmar. Depois de várias reuniões, já perdemos as contas, o Grupo Galileo assina um termo de compromisso e mesmo assim o desrespeita. Em fevereiro de 2012, a mantenedora já tinha descumprido um acordo feito no Ministério Público do Trabalho.

Até hoje nunca vimos o tal acionista majoritário Adenor Gonçalves dos Santos. Seu nome é uma lenda. Às vezes nos perguntamos se ele realmente existe, porque nunca teve a humildade de se sentar conosco para dialogar, encarar o problema de frente e nos dar garantias reais de que está disposto a recuperar a Instituição.

Há quase dois anos que vivemos nessa luta. Unidades serem fechadas, demissões e mais demissões, aumentos abusivos de mensalidades, promessas de pagamentos que não são cumpridas, falta de segurança, equipamentos e salas em mau estado de conservação, cursos serem transferidos para a Universidade Gama Filho, troca de acionistas, imóvel sendo penhorado. O que você, professor ou aluno, está esperando para começar a agir? Porque depois, não vai adiantar chorar pelo leite derramado.

Sem mais,

DCE-UC








Email do DCE: dceuc2012@gmail.com

"Saudações a quem tem coragem"


sábado, 26 de outubro de 2013

Audiência com o Ministro da Educação - 26 de Outubro

No dia 22 de Outubro, a Presidente do DCE Sete de Setembro, Letícia Portugal, esteve em Brasília para uma audiência com o Ministro da Educação, Aloizio Mercadante, para discutir acerca dos problemas enfrentados pela UniverCidade e Gama Filho. A reunião foi solicitada pelo Senador Cyro Miranda, Presidente da Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal.

O Deputado Robson Leite iniciou a reunião entregando ao Ministro Mercadante o Relatório da CPI do Ensino Superior Privado, explicando sua importância tanto para a situação por nós vivida quanto para a educação Brasileira.

Em seguida, Letícia Portugal fez uma fala, relatando brevemente a situação atual ao Ministro e cobrando uma atitude mais efetiva como uma intervenção, pois até agora o MEC utiliza "medidas paliativas” que não surtem efeito. O Ministro declarou que não há possibilidade de intervenção, pois o Ministério não tem “amparo legal”, segundo ele. Tal declaração causou estranheza, pois contraditoriamente, na Audiência Pública de 09 de Outubro, a representante do MEC, Marta Abramo, afirmou ser possível sim intervir.

Segue abaixo o vídeo com a declaração de Marta Abramo:



O Ministro declarou ainda que não há como o governo arcar com as dívidas do Grupo Galileo, e que não poderia Federalizar as instituições, pois, segundo ele, “enquanto temos milhões de alunos querendo uma vaga em Universidade pública, 18 mil alunos (UC e UGF) passarem na frente sem ao menos ter feito vestiular” (lembramos aqui que a Federalização nunca foi solicitada ao MEC e sim  intervenção. As duas são coisas distintas). Com o argumento de não haver legislação que o permita fazer tal ato, Mercadante afirmou “render-se” caso mostrássemos o contrário.

Então o Senador Cyro Miranda entregou ao Ministro e a Jorge Messias uma Consultoria Legislativa, que trata sobre as providências que poderão ser tomadas pelo Ministério da Educação neste caso. Em resposta, o Ministro, que não leu o documento, deu a entender que o Senador havia solicitado tal Consultoria já pedindo uma resposta favorável à causa. O documento ficou em posse de Jorge Messias.

Os parlamentares questionaram sobre a aprovação do INSAES, que pode ser uma saída para a UniverCidade e UGF. O Ministro, no entanto, afirmou que a votação do relatório está sendo muito demorada. Assim, o Deputado Alessandro Molon se dispôs a acompanhar o projeto, a fim de ajudar a agilizar o processo. O Deputado Robson Leite ainda falou sobre criar um projeto de lei que nos contemple e que seja votado rapidamente para que não fiquemos neste caos. Também não teve sucesso com a sugestão.

Letícia Portugal questionou então qual seria a saída, uma vez que estamos no meio de um impasse e nada é resolvido. Não podemos esperar o INSAES ser aprovado para ter uma solução, pois até que isto ocorra, estamos à mercê do Grupo Galileo de mãos atadas. O Ministro declarou haver apenas duas possibilidades: Ou o Grupo Galileo cumpre com os termos impostos pelo MEC (Como, por exemplo, o Termo de Saneamento de Deficiência) ou será descredenciado, assim fechando as Instituições.

A Presidente então argumentou não ser essa a melhor saída, uma vez que a transferência dos alunos, ainda que assistida pelo Ministério da Educação, causaria prejuízos a todos, principalmente aos formandos. Tal medida também não contempla docentes e funcionários. Mercadante alegou não querer chegar a este ponto, porém, segundo ele, não há outra coisa a ser feita se o Grupo Galileo não arcar com seus compromissos. Para avaliá-lo, a Comissão Paritária tem vindo ao Rio duas vezes ao mês, fora os documentos que deve apresentar periodicamente ao Ministério.

Ficamos extremamente insatisfeitos com a resposta do Ministro, que declarou aos presentes, por fim, estar “aberto à propostas” que ajudem a chegar a uma saída para as Universidades. A falta de interesse do Ministério em buscar uma solução efetiva para a UniverCidade e UGF é clara. Porém, a reunião apenas comprovou o que já era sabido.  Se o Ministério declara que nada pode fazer, que a Presidente do Brasil nos receba, nos ouça e ajude. Afinal, se o governante de nosso país nada puder fazer conta uma empresa que MANCHA a Educação brasileira, será constatado que não há futuro certo para os estudantes de hoje e de amanhã.  

Seguem algumas fotos da audiência:

Créditos: Leonardo Sussuarana - Assessoria Senador Cyro Miranda







Nota da Presidente do DCE, Letícia Portugal:

Viemos buscar do Ministério ajuda para os problemas da UniverCidade e Gama Filho, porém ouvir do Ministro que o MEC não tem competência para ajudar 18 mil alunos é decepcionante. Viemos em busca de uma solução e nos foi dito que estão abertos à propostas. Não creio que eu, aluna, tenha que ajudar ao Ministério a encontrar a resposta que o próprio deveria nos dar. Mas se é esta a posição que temos, então que façamos o nosso melhor. Trabalhemos em cima do (pouco) que temos e construamos juntos nossa saída.
Em vésperas de ano eleitoral, esperamos ansiosos pelas propostas do governo para a próxima eleição no que tange a Educação. Pois num momento em que nos sentimos abandonados pelo MEC, não cremos que um dos pontos fortes desta gestão governamental tenha sido o emprenho em sanar os problemas mais básicos e essenciais do país.

Fique claro que não deixaremos de lutar e acreditar numa saída para todos nós. O FORA GALILEO irá continuar até que se torne realidade



Página do DCE no Facebook
Email do DCE: dceuc2012@gmail.com

"Saudações a quem tem coragem"

sábado, 12 de outubro de 2013

Audiência Pública no Senado Federal - 12 de Outubro

Na quarta-feira (09/10) às 10h ocorreu a Audiência Pública na Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal que debateu: "As dificuldades enfrentadas pela Universidade Gama Filho e pelo Centro Universitário da Cidade, mantidos pela empresa Galileo Educacional". A mesa foi composta por:

- Letícia Portugal - Representante dos alunos da UniverCidade e Presidente do DCE Sete de Setembro;
- Julliene Salviano - Representante dos alunos da Gama Filho;
- Carlos Alberto Peregrino - Representante da Sociedade Universitária Gama Filho (SUGF);
- Alex Porto - Representante da Galileo Educacional;
- Marta Abramo - Secretária de Regulação e Supervisão da Educação Superior (SERES);
- Cyro Miranda - Presidente da Comissão de Educação, Cultura e Esporte.

O Senador Cyro Miranda abriu a Audiência e a primeira a discursar foi Letícia Portugal, que iniciou sua fala citando o Artigo 205 da Constituição, que trata da Educação. Seu discurso passou por uma retrospectiva desde a entrada do Grupo Galileo na UniverCidade e findou-se num apelo aos Senadores e Deputados presentes, para que não somente nos ouçam, mas nos ajudem a buscar uma solução EFETIVA e ÁGIL para nossa situação. Segue link do vídeo com o discurso:



Em seguida, Julliene Salviano, em seu discurso, leu um artigo da LDB em que trata das competências do MEC. Julliene em sua fala, lembrou que os problemas sofridos pela UGF já vinham antes da entrada do Grupo Galileo. Segue link do vídeo com o discurso:



Ao contrário do propósito da Audiência, Carlos Peregrino e Alex Porto pareciam pouco preocupados com o futuro dos alunos, professores e funcionários. Suas exposições basicamente trataram de problemas financeiros e troca de acusações, onde Carlos Peregrino afirmou ser a UniverCidade a culpada dos problemas enfrentados pela UGF. Em nenhum momento os dois representantes apresentaram soluções  ou propostas a fim de resolver os problemas enfrentados pelas IES. Tal fato indignou a todos os presentes e seus discursos em nada convenceram aos Senadores e Deputados, que veem uma intervenção do MEC como única saída para as IES.

Segue o discurso de Carlos Alberto Peregrino, representante da SUGF.



Em seguida o discurso de Alex Porto, Diretor-Presidente da Galileo Educacional.



O MEC, por sua vez, continua a afirmar sua impossibilidade de intervir. Tal discurso foi questionado pelos presentes, que dessa forma, afirmaram ser necessário que busquemos meios para que isso ocorra.

Segue o discurso de Marta Abramo, representante do MEC, fez seu discurso:



Ao final da audiência, a Presidente do DCE fez suas considerações finais.



O Presidente da Comissão, Cyro Miranda, se prontificou a conversar com o Ministro da Educação, Aloisio Mercadante, bem como o Deputado Molon e Senador Lindbergh.

Agradecimentos:

Aos Senadores Paulo Paim, Cristóvam Buarque e Ana Amélia Lemos, que prontamente atenderam ao nosso apelo e foram os autores do requerimento desta Audiência.

Ao Senador e Presidente da Comissão de Educação, Cultura e Esporte, Cyro Miranda, por sua dedicação e interesse em ouvir-nos e buscar uma saída.

Aos Senadores Inácio Arruda, Lindbergh Farias, Randolfe Rodrigues e Ana Rita; Deputado Estadual Robson Leite, Deputado Federal Alessandro Molon, Deputado Federal Glauber Braga, Deputada Federal Jandira Feghali que dispensaram suas atenções à nossa causa e apoiam a luta da UniverCidade e UGF.


À Comissão de Educação, Cultura e Esporte nas figuras de seu Secretário Júlio Linhares e Secretária Adjunta Adriana Gomes que, juntamente com sua equipe, desempenharam papel fundamental para possibilitar esta Audiência Pública.

Seguem algumas fotos da Audiência:

Letícia Portugal, Presidente do DCE Sete de Setembro

Todos os presentes na bancada.
 




Momento do discurso de Alex Porto (preto), Diretor-Presidente da Galileo Educacional

Depois de muita luta, os alunos da UniverCidade conseguiram chegar até Brasília e conquistar espaço para expor os diversos problemas e mazelas causadas pela administração da Galileo Educacional. O que antes era "desconhecido" por parte dos Deputados e Senadores de Brasília, a partir dessa audiência, não será mais.

Estamos ganhando espaço e unindo forças para o movimento #FORAGALILEO. Esse é o momento de toda a comunidade acadêmica estar imbuída nessa corrente e nos tornarmos mais fortes para combater as arbitrariedades cometidas pela Galileo Educacional.


Vamos à Luta!



Página do DCE no Facebook
Email do DCEdceuc2012@gmail.com

"Saudações a quem tem coragem" 

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Nota de Repúdio as Demissões do Grupo Galileo Educacional - 03 de Outubro

É com indignação que o Diretório Central dos Estudantes da UniverCidade, DCE Sete de Setembro, recebeu a notícia das demissões que ocorrerão nas Instituições mantidas pelo grupo Galileo Educacional, que já não cumpre com as suas obrigações trabalhistas, não pagando as rescisões e demais direitos dos docentes demitidos desde 2011, mas acaba de anunciar a demissão de docentes da UC e da UGF. Mais uma vez a comunidade acadêmica está sendo desrespeitada, tratada com total descaso, sendo ignorada pela mantenedora que vem manchando o nome da nossa Instituição ao longo de sua gestão.

Após passarmos pela terceira greve por falta de pagamento dos salários dos docentes e funcionários administrativos e depois de firmar um compromisso diante do Sinpro-Rio, do MEC e dos docentes de não realizar novas demissões, o Grupo não cumpre o seu acordo e demite 121 docentes do Centro Universitário da Cidade - UniverCidade. Atitudes repulsivas como essas só demostram que a mantenedora não possui interesse na qualidade do ensino, na valorização dos profissionais da educação, evidenciando a sua falta de capacidade de gerir as IES e o seu interesse apenas financeiro. Com isso, o Grupo Galileo vem causando danos irreparáveis aos docentes, funcionários e a milhares de estudantes.

O Diretório Central dos Estudantes, representando os discentes, se solidariza aos professores e não se calará diante de mais uma atrocidade cometida pelo Grupo Galileo. A nossa luta não é apenas pela “volta às aulas”, mas também para que haja um respeito, que os profissionais de educação sejam valorizados e para que os estudantes tenham um ensino de qualidade. 

O Grupo Galileo vem contribuindo de forma cruel e desumana para o fim de duas grandes IES e o DCE cobra das autoridades uma resposta, uma solução para que a comunidade acadêmica seja tratada com dignidade. Fazemos um apelo a comunidade acadêmica para nos unirmos numa só voz contra as injustiças cometidas pelo Grupo Galileo.

Vamos à Luta!





#FORAGALILEO



Página do DCE no Facebook
Email do DCEdceuc2012@gmail.com

"Saudações a quem tem coragem"